quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Este não é um texto de hoje, mas sim um texto que usei para um concurso. Espero que gostem. Um sorriso e um beijinho no coração.
 
 "Enquanto os meus pensamentos ecoavam na minha cabeça por entre a frágil espuma do lavar da loiça, senti um calafrio doce e terno. Olhei de soslaio para o alpendre da casa e nele revi o mar que naquela tarde me tinha envolvido em memórias e devolvido prazeres antigos. A irritação começa a sobressair na minha face quando penso nele. Porque voltas-te porque? Retiro a toalha da mesa e coloco sobre ela a fruteira tão colorida que me faz ficar mais nervosa, tudo é cor, tudo é tão bonito á minha volta e eu sinto-me negra, não tenho cor, não tenho vida, não tenho esperança.
Pego no comando e ligo a televisão sem saber o canal ou o que mesmo quero ver. Viro e reviro os canais paralelamente á medida que vou virando e revirando as páginas mais antigas da minha vida. De repente fico estagnada e coloco as mãos a tapar a boca como um movimento louco ou infantil. Tive medo de deslocar-me até á porta e abri-la pois naquele instante tive a certeza que eras tu. O teu odor, o mesmo que vinha embrenhado na carta que me envias-te, atravessava aquela porta velha e meia descascada, fruto do tempo e da história.
Levantei-me e fiquei parada. Movi um pé e depois o outro. Recuei três passos e a campainha voltou a tocar agora de forma mais carregada e audaz. Pé ante pé encaminhei me até á entrada, contei até três, respirei fundo, rodei a maçaneta desgasta da porta e apareci de forma tímida. Perdi a fala e a capacidade de pestanejar ou mover qualquer parte do corpo. Ali estavas tu, estavas na mesma. Os teus olhos cor de avelã demasiado expressivos e atentos combinavam na perfeição com o teu doce sorriso e a barba meia feita. Mantinhas a elegância no andar e o teu ar sempre fora jovial.
Comecei a tremer como se de algo mau se trata-se, e senti o meu sorriso fazer-se notar. Senti a tua mão junto da minha, e ainda não tínhamos dito nada. Aproximaste-te e deste-me um abraço tão amoroso quanto caloroso, tal e qual aos de antigamente. Senti aquela sensação que eu tanto gostava, de quando roçavas a tua barba na minha, agora, corada bochecha e o canto da tua boca colou-se ao meu. Freneticamente fechei a porta e senti o quente do teu beijo e a tua língua forçava que os meus lábios se abrissem. Tentei cerrar os dentes e não deixar passar aquela comoção, mas tu sempre soubeste bem como me fazer não resistir. E mais uma vez tomas-te conta de mim, de forma tão preliminar e ousada. Senti o leve beijo tocar-me todo o corpo á medida que as tuas mãos ganhavam asas e me despiam o medo que se ia arrastando com as roupas, jogadas e caídas pela casa. Parei por segundos e olhei esses deliciosos olhos e ouvi a tua boca pronunciar de forma destemida um “Amo-te”. Lançaste-me o maior sorriso e senti-te dentro de mim, junto a mim, perto de mim. Pedi para que nunca mais daqui saísses e que jamais voltasses a partir. Fizemos amor, não sei durante quanto tempo, não o contei e este era sim um factor sem importância. Sei que no fim, ali estávamos sobre a minha amarrotada cama, nus e receosos do que o que cada um iria falar. Deitei-me sobre o teu peito e pedis-te que não falasse e apenas sentisse. Deste-me a tua mão e absorvidos numa onda profunda de sentimentos e incertezas adormeci.
Acordei algum tempo depois tentando entender se acordará de um sonho ou se estava a despertar para a realidade. Não estavas do meu lado e não havia vestígios de ti. Levantei-me de forma repentina e percorri cada compartimento da casa numa tentativa de te encontrar. Olhei então aquela estúpida e sorridente fruteira e ao seu lado um bilhete dobrado ao meio e penetrado por letras bem desenhadas. Reconhecia de imediato e atentei nas palavras:

“Maria:
Não penses que sou ingrato ou que vim apenas para dois momentos de prazer e uma noite de sexo. Vim porque precisava de ter a certeza que ainda me amas da mesma maneira como eu te amo. O teu respirar no meu peito fez me perceber tudo. Não me procures porque é o mais certo, o destino vai-se encarregar de tal!
Um beijo, Pedro”"

15 comentários:

  1. muito obrigada. é bastante agradável saber que é essa a tua opinião :)

    ResponderEliminar
  2. Obrigada pelo comentário querida.
    Gostei bastante do texto... foi para que concurso? como correu?

    ResponderEliminar
  3. não estava bem a falar de jogos, era mais uma metáfora do que outra coisa :)

    ResponderEliminar
  4. tu também, ainda por cima depois de acabar de ler isto :)
    que concurso foi?

    ResponderEliminar
  5. é assim mesmo, gosto desse pensamento. Nunca desistas, haverão mais oportunidades :)

    ResponderEliminar
  6. parabéns então, está muito bem descrito.

    ResponderEliminar
  7. isso é bom! e vale sempre a pena participar :)

    ResponderEliminar
  8. oh, a vida já é tão difícil para quê complicá-la mais? ser pateta é o melhor! :D

    ResponderEliminar
  9. Obrigada princesa, escreves sempre bem!

    ResponderEliminar
  10. Tão bonito foi te ler hoje, mesmo de alma cansada aqui ganhei forças. Lindo mesmo.

    Um Beijinho.

    (Desculpa pelo comentário de hoje, amanhã compenso) :)

    ResponderEliminar
  11. não é uma relação... não é nada. mas é instável.
    a última frase, da maria e do pedro, foi em que contexto? fictício ou real?

    ResponderEliminar
  12. mais ou menos. não no sentido literal, é esquisito de explicar.

    ResponderEliminar

"Presenteia-me com Amor." <3